Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas. Clique na imagem acima.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

sábado, 11 de outubro de 2014

Vamos compartilhar a VERDADE Video flagrande HElICOPTERO aecio

Via Ralf Ricki

Peço a TODOS os meus amigos e amigas, sem exceção,
QUALQUER QUE SEJA A SUA TENDÊNCIA POLÍTICA, 
que NÃO DEIXEM DE VER ESTE VÍDEO EM HIPÓTESE ALGUMA
. Não se trata de divergências partidárias: trata-se de algo MUITO mais sério, 
e tratado aqui sem sensacionalismo, com a maior seriedade. São 25 minutos,
mas precisam ser vistos por TODOS os eleitores brasileiros. 
Quem deixar de ver corre o risco de se tornar cúmplice de um dos passos
mais graves e talvez sem retorno na história do nosso país.
Repito que não se trata de uma questão partidária - 
mas é preciso que se entenda que é DESSA rede que tem 
partido toneladas de acusações falsas contra quem tem
tentado DE VERDADE fazer do Brasil um país digno. Por favor,

FAÇAM DOWNLOAD (o sistema Vimeo tem botão pra isso) e 
REPASSEM A TODOS OS SEUS AMIGOS, removendo a referência "via Fulano".
Assistam e entenderão a importância.

http://vimeo.com/108512905

Alerta de Atilio Boron aos militantes Camaradas, companheiros: é Dilma ou um Brazil com Z

BRASIL

Los desafíos de Rousseff  

Por Atilio A. Boron


08/10/2014.-    

Se complica el escenario en Brasil, por varias razones.

Uno, porque Dilma tuvo la peor votación en la primera vuelta electoral desde que el PT triunfara en las presidenciales del 2002. En la primera vuelta de ese año Lula obtuvo 45,4 por ciento de los votos, y 48,6 por ciento en 2006. En el 2010 Dilma recogió –favorecida por el alto nivel de aprobación de Lula– el 46,8 por ciento del voto popular. El domingo pasado, en cambio, apenas si recogió el 41,5 por ciento. El salto para llegar a la mayoría absoluta será ahora más largo y habrá que ver de dónde podrán venir los votos que le hacen falta. Es probable que una parte de quienes votaron por Marina encuentren intolerable canalizar sus preferencias hacia Aécio Neves, pero sólo hay conjeturas. Entre Dilma, Aécio y Marina suman el 96 por ciento de los sufragios, de modo que no existen grandes contingentes de electores que se puedan redistribuir entre los dos finalistas más allá de los votantes de Marina o de una posible disminución del abstencionismo electoral, que llegó al 19,4 por ciento.

Dos. Se complica también porque su contendiente ya no es una voluble y fugaz estrella mediática sino un representante orgánico del establishment conservador brasileño. Miembro del PSDB, el partido del ex presidente Fernando H. Cardoso, Aécio fue un ardoroso crítico de los gobiernos petistas, a quienes acusa de haber ahuyentado la inversión extranjera y creado un clima poco favorable para los negocios, imputaciones éstas que carecen de asidero en la realidad. Neves es de los que creen que Brasil poco o nada tiene que hacer en América latina. Su destino es asociarse a los proyectos imperiales de Estados Unidos y sus cómplices europeos. Como tantos en la derecha latinoamericana, no percibe lo que las mentes más agudas del imperio han alertado hace rato: que Estados Unidos comenzó una lenta pero progresiva e irreversible declinación y que su agonía estará signada por violentos estertores e innumerables guerras. En esa curva descendente no habrá amigos permanentes, como aspira Aécio que Brasil sea de Estados Unidos, sino intereses permanentes. Y para Washington los amigos de ayer (Saddam Hussein, Osama bin Laden o los sunnitas fanáticos que ayudara a crear) pueden convertirse de la noche a la mañana –como hoy ocurre con el Estado Islámico– en los infames enemigos de la libertad y la democracia. Aécio no lo sabe, pero Brasil no será la excepción en esta materia.

Tres. Para prevalecer, Dilma deberá reconquistar una parte de la base social del PT que, desilusionada con su gobierno, manifestó su desencanto votando a Marina. Para ello deberá demostrar que su segundo turno va a ser distinto del primero, al menos en algunas materias sensibles en lo económico y social. Si su propuesta se asemeja a la de su rival, estará perdida, porque los pueblos invariablemente prefieren el original a la copia. Tendrá que diferenciarse por izquierda, profundizando las reformas que pongan fin a la intolerable desigualdad económica y social del Brasil, a los estragos del agronegocio, a la depredación medioambiental, a su vergonzosa regresividad tributaria y a las escandalosas ganancias embolsadas por el capital financiero y los oligopolios durante los gobiernos petistas.

Cuatro y último, será preciso para ello desandar el camino que, desde el 2003, desmovilizó al PT, convirtiendo al otrora vibrante partido socialista de los ochenta y los noventa en un espectro que vegeta en los recintos parlamentarios y los despachos de la burocracia estatal. Ahora Dilma no tiene partido, y se podrá decir que tampoco lo tiene Aécio. Pero éste tiene con qué reemplazar esa falencia: los oligopolios mediáticos, totalmente jugados a su favor. El PT perdió la calle y la pasión de un pueblo porque desde su llegada al gobierno cayó en la vieja trampa de la ideología burguesa y el arte de la política se transfiguró en gestión tecnocrática, mientras que aquella era denostada como politiquería. Fatal error, porque a Dilma sólo la podrá salvar la política y no sus presuntas aptitudes gerenciales. La mayoría electoral que Lula supo construir no logró transformarse en hegemonía política: esto es, en una dirección intelectual y moral que garantizase la irreversibilidad de los importantes avances registrados en algunas áreas de la vida social pero que, a juicio de la ciudadanía, fueron insuficientes.

Cambios que mejoraron la condición del pueblo brasileño, pero que fueron no hechos con el protagonismo del pueblo sino por un poder filantrópico que desde arriba desmovilizaba, despolitizaba e inducía a la pasividad a cambio de la inédita generosidad oficial. La actividad política era un ruido que alteraba la calma que requerían los mercados para seguir enriqueciendo a los ricos. El PT en el poder no supo contrarrestar esa estrategia, y ahora necesita repolitizar, en tres semanas, a un sector importante del pueblo brasileño. Ojalá que lo consiga, ya que la victoria de Aécio sería un desastre para América latina, porque liquidaría los avances duramente conquistados en el Mercosur, la Unasur y la Celac, y Estados Unidos contaría, al fin, con el Caballo de Troya perfecto para destruir desde adentro el sueño de la Patria Grande latinoamericana.

Urnas programadas para SEGREGAR


Andres Andrés Thomas Conteris ajudando a tecer a colcha de retalhos das urnas eletronicas. Fim de semana vamos juntando os detalhes... tem eleitor fantasma no Brasil.TEM SIM.....e tem Urnas segregadoras? nao sei mas o alerta taí: 'Esta semana, un estudio del Congreso no partidista halló que los estados que implementaron leyes similares registraron una caída en la cantidad de votantes que alejó de manera desproporcionada a los jóvenes y los afroestadounidenses de las urnas.'


Ley de identificación de votantes de Wisconsin y Texas bloqueada por los tribunales

En una doble victoria para los derechos de voto en Estados Unidos, las leyes de identificación de votantes han sido bloqueadas en Wisconsin y Texas menos de un mes previo a las elecciones de noviembre. En el caso de Wisconsin, la Corte Suprema otorgó una apelación de emergencia para evitar que el estado implemente su ley de identificación de votantes. Se estima que unos 300.000 votantes de Wisconsin carecen de identificación adecuada. Por otra parte, en Texas, un juez federal anuló la ley de identificación de votantes de ese estado, afirmando que era un “impuesto per cápita inconstitucional” que discriminaba a los votantes de color. El procurador general de Texas, Greg Abbott, que es candidato a gobernador, ha dicho que va a apelar. Esta semana, un estudio del Congreso no partidista halló que los estados que implementaron leyes similares registraron una caída en la cantidad de votantes que alejó de manera desproporcionada a los jóvenes y los afroestadounidenses de las urnas.

para brasileiros que vivem em Miami e enche a boca pra falar contra o Brasil:





Amigos, estou nesse momento no Consulado do Brasil em Miami. Estou deixando esse post para compartir o nosso espanto de hoje.
Impressionante, como já expus por aqui em outra oportunidade, o ódio disseminado contra o PT/Dilma/Lula.
Senhoras de idade, pessoas de todos os tipos, destilando um ódio, de tal virulência, que temo que em breve nos tornemos (aí) uma Ucrânia.
A coisa está muito feia, temos todos que tomar uma atitude. A Justiça brasileira, que normalmente é muito falha, com certeza hoje (mais do que nunca) tem lado. E o lado dela não é o do povo, nem da verdadeira e imparcial justiça
  • Marcos Rebello Sylvio ... este é aquele pessoalzinho pobre de espírito que subiu um pouquinho na vida, que pôde vir para Miami, que comprou um carrinho melhor e talvez com sacrifício fez um down payment numa town house, está com um mortgage de 30 anos, se veste no TJ Max, Beals, Marshall's e Ross e acha que é elite. Aturar estes é muito, mas muito pior que aturar os paulistanos ou essa galerinha que vem aqui arrotar pessegada como se soubesse de programas de governo. Essa gentinha não entende que as propostas do Aécio são absolutamente impossíveis de se tornar realidade porque são mutuamente exclusivas. Simplesmente não é possivel um mercado Comum com a NAFTA e ainda fazer aqueles cortes na administração pública para enxugar a máquina e aumentar empregos. Ainda mais no patamar em que estamos hoje. E aqueles investimentos, aonde ele vai conseguir?! Essa gente está viajando na maionese!!! Eu imagino o que voce deve ter ouvido lá no Consulado.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

DILMA E A ESPERANÇA

Enviado Por Vitor Buaiz 
Conversa Afiada reproduz editorial de Mino Carta, extraído da Carta Capital:


DILMA E A ESPERANÇA


CartaCapital apoia a reeleição porque sabe que o PSDB é a direita e uma vitória tucana significaria o retorno ao passado



A mídia nativa encontra à última hora o novo salvador da pátria. Aécio Neves atropela Marina Silva na reta final do primeiro turno da eleição presidencial e consegue o segundo lugar com uma porcentagem de votos que supera as expectativas. O tucanato está em festa, e tem boas razões para tanto, a se considerar a rápida ascensão do seu candidato. Agora na aposta da continuidade do desempenho em elevação.


O verdadeiro partido de oposição, a saber a imponente estrutura midiática, exulta, na certeza de que sua atuação foi decisiva em alguns estados, sobretudo em São Paulo. De fato, este primeiro turno confirma a terra bandeirante como a mais reacionária do País. São Paulo não somente reelege um governador incompetente como Geraldo Alckmin, irresponsável até em vários casos, além de envolvido em escândalos, mas também confere a Aécio Neves uma vantagem abnorme em relação a Dilma Rousseff.


Segundo aspecto do pleito a ser acentuado: a clamorosa falha das pesquisas em vários estados. Em São Paulo, a surpresa está no resultado alcançado pelo candidato do PT, Alexandre Padilha, muito acima da porcentagem atribuída pelas pesquisas, tão baixa de fio a pavio, a ponto de levar a Globo a se desinteressar, com indisfarçável alegria, da cobertura da sua campanha.



Notável o erro em relação à Bahia, onde a vitória de Paulo Souto no primeiro turno era garantida por robusta porcentagem, e onde quem se sagrou governador de saída é o escolhido de Jaques Wagner, Rui Costa. E no Rio Grande do Sul quem trafegou em terceiro lugar desde o início da campanha a governador, Ivo Sartori, do PMDB, vai para o segundo turno em primeiro lugar. Cabe questionar os institutos: incompetência ou má-fé? Deslize em proveito da crença guardada a sete chaves, ou falta total de acuidade?



Algo mais a anotar: o excelente resultado obtido pela presidenta no Nordeste, a região que soube entender e aproveitar o êxito das políticas realizadas nos últimos 12 anos pelos governos de Lula e Dilma. Mais expressivo de todos, o desfecho baiano. Ali havia motivos para temer o retorno do carlismo, já representado na prefeitura de Salvador pelo neto de Antonio Carlos. Registra-se o êxito da administração wagneriana, sem cavalgada das Valquírias.



Na visão óbvia das próximas três semanas, a nos separar do segundo turno da eleição presidencial, não é árduo prever uma disputa ao último sangue, com a participação maciça da mídia alinhada compactamente às costas do tucanato e, do outro, de Lula, novamente em ação, talvez mais do que nunca.


Cabe comparar a situação de hoje com aquela de quatro anos atrás. Dilma cai cerca de 5 pontos porcentuais, enquanto Aécio melhora em cerca de 1 ponto a posição do então candidato José Serra. Marina Silva também cresceu cerca de 2. Ou seja, as condições não estão muito longe daquelas de 2010. E, por outra, repete-se a polarização tradicional nas últimas duas décadas. E esta é a hora de reafirmar o apoio de CartaCapital à presidenta.


As nossas motivações se reforçam nesta fase do confronto. Ao se inaugurar a campanha, previa neste espaço que tanto Aécio quanto Marina seriam inevitavelmente arrastados para a direita ao surfar a onda midiática. Neste gênero de entrega ao chamado das sereias os tucanos já mostraram largamente a sua escassa vocação odisseica. Foi o que se deu com Fernando Henrique Cardoso na Presidência e com José Serra em diversas oportunidades. Ambos tornaram-se empedernidos reacionários, a exibir toda a inconsistência ideológica da chamada esquerda brasileira. Ou, pelo menos, de certa vertente dita esquerdista.



A esta altura, Aécio já disse a que veio. Em um ponto, certamente, a orientação fica definida. Confesso meu pavor diante da perspectiva de ter Arminio Fraga como ministro da Fazenda, destemido arauto do neoliberalismo, não menos de FHC e seu governo. Apavorante retorno ao passado, para falar alto e bom som, igual a um editorial do Estadão. Temo, obviamente, que a ameaça formulada então, a privatização da Petrobras, se concretize caso Aécio chegue ao trono. E me pergunto o que será de uma política exterior que desatrelou os interesses do Brasil daqueles dos Estados Unidos, ora viva.



E que sobraria de uma política social que melhorou a vida de boa parte de condenados à miséria e investiu bastante em educação? Avanços insuficientes, é verdade factual, mas importantes no País da casa-grande e da senzala. E esta continua a ser a questão central. Como há de ser para quem se empenha a favor da igualdade.


Apoiamos Dilma porque ela representa esperança de igualdade, e CartaCapital não arrefece na expectativa de quem dela se aproxime cada vez mais. O estadista almejado.  Dono, por exemplo, de sabedoria e coragem para coibir os desmandos midiáticos, a começar pela hegemonia da Globo, na terra do futebol onde o próprio, e chego aos limites do cogitável, é disputado nos horários que ela decide. Este pode ser tomado como exemplo miúdo, mas não é.


E se falamos de esporte, regras hão de ser estabelecidas para impedir de vez a farra dos cartolas, de forma a devolver dignidade ao esporte das multidões. É deste gênero de atuação que o povo precisa, inserida no quadro de uma política social voltada às demandas mais profundas da alma nacional.


Não precisamos, por exemplo, de uma dita Comissão da Verdade que se apavora diante da verdade. Factual, está claro. Precisamos, isto sim, liquidar de vez uma lei da anistia imposta pela ditadura encerrada há quase 30 anos. Atitudes deste porte, talvez menor na aparência, provariam de fato uma ousadia nunca dantes navegada, a indicar um governo capaz de dar início à demolição da casa-grande e da senzala. Conduzida em paz, em sintonia, porém, com o nosso tempo.

PS: esperamos que na nova gestão Dilma,  lideranças partidárias não continuem a macular
       a imagem do Governo e tenham humildade para reconhecer mais um gesto
       de solidariedade do povo brasileiro, esquecendo de vez a arrogância e a prepotência

O oprimido ao lado do opressor: Marina e Caiado:' maravilhosamente bem'

Vai vendo aí:
http://www.redebrasilatual.com.br/eleicoes-2014/ronaldo-caiado-diz-que-estara-maravilhosamente-bem-em-alianca-com-marina-5844.html

Ronaldo Caiado

— — última modificação 09/10/2014 18:57

Caiado diz que estará 'maravilhosamente bem' em aliança com Marina Silva

Bolivia deverá reeleger EVO MORALES neste Domingo

TERCEIRO MANDATO
http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2014/10/bolivia-nas-eleicoes-deste-domingo-pesquisas-indicam-vitoria-de-evo-morales-679.html

Bolívia: nas eleições deste domingo, pesquisas indicam vitória de Evo Morales

Morales, eleito pela primeira vez em 2005, é o primeiro presidente indígena boliviano, povo que representa cerca de 60% da população do país
por Danilo Macedo, da Agência Brasil publicado 09/10/2014 18:21
Comments
MARTIN ALIPAZ/EFE
evo morales
Em 2005, Morales foi eleito com 54% dos votos e, em 2009, com 64%
A Bolívia fará eleições gerais no próximo domingo (12) e escolherá seu presidente para um mandato de cinco anos. Respeitando a Lei Eleitoral boliviana, ontem (8) foi o último dia de atos públicos de campanha, que, de acordo com analistas internacionais, transcorre em um clima calmo. Apesar disso, o Tribunal Supremo Eleitoral informou que 37 mil policiais e 20 mil militares farão a segurança nas eleições, que têm 6.245.959 bolivianos habilitados a votar.
O atual presidente, Evo Morales, tenta chegar a seu terceiro mandato consecutivo e, de acordo com as pesquisas divulgadas, tem quase 60% das intenções de voto. Morales, eleito pela primeira vez em 2005, é o primeiro presidente indígena boliviano, povo que representa cerca de 60% da população do país. Além dele, também concorrem à Presidência Samuel Doria Medina, empresário do ramo de cimento; Jorge Quiroga, que foi vice-presidente do país por quatro anos e, em seguida, assumiu como presidente pelo período de um ano; o prefeito de La Paz, Juan del Granado, e o líder indígena Fernando Vargas.
Entre os eleitores registrados para votar, 272.058, ou 4,3% do total, são residentes em outros 33 países. O voto de cidadãos bolivianos no exterior estreou nas últimas eleições, em 2009, somente para alguns residentes na Argentina, Espanha, nos Estados Unidos e no Brasil. Desta vez, as votações foram ampliadas para mais 29 países. O voto dessas pessoas é facultativo e eles apenas podem escolher candidatos a presidente e vice.
De acordo com as regras eleitorais bolivianas, a Lei Seca tem início 48 horas antes do pleito e só se encerra ao meio-dia na próxima segunda-feira. Todos os cidadãos entre 18 e 70 anos de idade são obrigados a votar. Nos 90 dias seguintes, os bolivianos precisam apresentar o comprovante de votação para utilizar serviços em instituições públicas e bancos. Aqueles que não votarem, têm até 30 dias para justificar a ausência ou pagar uma multa equivalente a R$ 135.
Pelo calendário eleitoral, a campanha na Bolívia começou em julho, mas as propagandas dos partidos na imprensa só começaram em setembro. O segundo colocado nas pesquisas é o empresário Doria Medina, que aparece com entre 13% e 18% das intenções de voto. Segundo a Constituição boliviana, para um candidato ser eleito em primeiro turno precisa ter mais de 50% dos votos ou ter mais de 40% e uma distância de pelo menos 10% sobre o segundo colocado, o que, de acordo com as pesquisas, aponta uma vitória do atual presidente sem necessidade de um segundo turno. Em 2005, Morales foi eleito com 54% dos votos e, em 2009, com 64%.
Com mais de 10 milhões de habitantes, a Bolívia, assim como o Paraguai, são os únicos países da América do Sul sem saída para o oceano, o que dificulta o escoamento de sua produção. Tem fronteira com o Brasil, a Argentina, o Paraguai, o Peru e o Chile. A economia boliviana está baseada nas indústrias de petróleo e gás, na mineração e na agropecuária. A capital do país é Sucre, mas a sede do governo é em La Paz. O país tem nove departamentos (estados) e fala mais de 30 línguas, sendo os principais o espanhol, falado por quase 90% da população, o quéchua, por 34%, e o aymara, por 23,5% das pessoas.

Toda Coerencia da Erundina: AECIO é VEXATÓRIO

Nota Blog: Em conversa com o Ex Governador Vitor Buaiz, a Deputada coerente  coloca sua contrariedade 

Luiza Erundina saiu da reunião antes do fim e deu o único voto contrario



Eleições 2014

Erundina diz que apoio do PSB a Aécio é "incoerente" e "vexatório"

Partido que lançou Marina Silva decidiu, por maioria de votos, ficar ao lado do tucano no segundo turno
por Rodrigo Martins — publicado 08/10/2014 21:30, última modificação 08/10/2014 22:17

Marina Silva e Erundina
Beto Albuquerque, Marina Silva e Luiz Erundina durante entrevista na última semana de campanha do primeiro turno
Botão Eleições 2014
Reeleita pelo estado de São Paulo com 177,2 mil votos, a deputada federal Luiza Erundina defendia a liberação dos votos dos militantes e eleitores do PSB no segundo turno das eleições. Mas, nesta quarta-feira 8, a Executiva Nacional da legenda decidiu, por maioria de votos, apoiar o candidato do PSDB à Presidência Aécio Neves. Em entrevista a CartaCapital, a parlamentar avalia que a decisão dificulta a situação dos governadores Camilo Capiberibe e Ricardo Coutinho, que disputam o segundo turno das eleições estaduais no Amapá e na Paraíba, respectivamente, com o apoio do PT. Além disso, ela considera a posição do PSB "vexatória" e “incoerente” com o que a legenda pregou ao longo da campanha.

“Desde o início do processo eleitoral, tanto Eduardo Campos quanto Marina Silva defenderam ser preciso superar a velha polarização entre PT e PSDB. É incoerente, depois de tudo que se passou, reforçar um desses polos agora”, diz Erundina. “É ainda mais vexatório declarar voto para uma candidatura notadamente conservadora, que defende posições tão contrárias ao que defendemos, como a redução da maioridade penal.”
Após a decisão pelo apoio ao candidato tucano, por parte de 22 membros da sigla, Erundina e o deputado Glauber Braga, do Rio de Janeiro, decidiram se retirar da reunião. “Saímos no momento em que eles começaram a redigir a carta de apoio a Aécio. Respeitamos a decisão da maioria, mas não queríamos referendar essa posição", comentou. Além de Erundina,votaram pela neutralidade a senadora Lídice da Mata (BA), o senador Antônio Carlos Valadares (SE), Katia Born, o secretário de Juventude Bruno da Mata, o presidente do partido Roberto Amaral e o secretário da Área Sindical, Joílson Cardoso. O senador João Capiberibe (AP) foi o único que votou pelo apoio a Dilma.
A deputada admitiu que o partido está dividido. Acredita, ainda, que a decisão de apoiar Aécio terá efeitos sobre as eleições internas do PSB, marcadas para a segunda-feira 13. O atual presidente da sigla, Roberto Amaral, disputa a recondução ao cargo, mas desgastou-se ao defender a neutralidade do PSB no segundo turno das eleições presidenciais.
“Vamos ver quais serão os desdobramentos dessa decisão da Executiva do PSB. É inegável que há uma crise interna, uma divisão dentro do partido, e isso emerge num momento em que ainda estamos disputando o segundo turno em quatro estados.”

Movimento indígena em debate na Ufes

Movimento indígena em debate na Ufes

Convidados discutirão o contexto da reemergência indígena na América Latina e as propostas dos povos originários para o continente e para a humanidade.


Um dos debates mais importantes na academia latino-americana chega ao Espírito Santo. A CALLES – Casa da América Latina Liberdade e Solidariedade promove nesta sexta-feira uma discussão e bate-papo com o tema “A Reemergência Indígena na América Latina”, que acontece a partir das 18h30 no Anfiteatro 1 do CCHN, no campus da Ufes em Goiabeiras.

Para o debate foram convidados Antonio Carlos Amador Gil, pós-doutor em História pela USP e professor de História da América Latina da Ufes, e o jornalista e correspondente internacional Vitor Taveira, mestre em Estudos Latino-Americanos pela Universidade de Barcelona e diretor da Expedição Abya Yala.

No início dos anos 90, com a queda do Muro de Berlim e o enfraquecimento das ideologias socialistas, alguns teóricos proclamavam o “fim da história”, com a hegemonia da democracia representativa e o capitalismo liberal. Porém, a dinâmica da história mostrou-se traiçoeira à qualquer previsão, entre outros fatores, pela aparição de novos atores de resistência antes invisibilizados. Nesta época movimentos indígenas sumamente organizados em suas bases aparecem com força e grandes mobilizações em países como Bolívia, Equador e México, surpreendendo as sociedades nacionais.

“Durante o debate queremos esclarecer os vários fatores que permitem esta organização dos povos originários que foram historicamente excluídos da arena política de nosso continente”, adianta Vitor Taveira. “Outro tema importante é que toda essa movimentação não aparece apenas com protestos contra o sistema excludente, mas também aos pouco apresenta propostas civilizatórias potentes, que podem servir de alternativas ao modelo atual baseado na acumulação por meio exploração do ser humano e destruição da natureza”, explica o jornalista.

Depois das exposições dos convidados haverá um café com bate-papo com os demais participantes do evento para discutir sobre este tema.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

FURNAS EXISTE GENTE: Em Destaque Luiz Paulo e Aecio Neves e CIAS.

publicado anteriormente em agosto de 2012, reeditado com a data de hj.


OLHA O MENSALAO DE FURNAS NO ES AÍ GENTE: LUIZ PAULO, cÊ TAÌ, OIA.




OLHA O MENSALÃO DE FURNAS EM MINAS GERAIS AÍ GENTEEEEEEEEEE








Imagens de Arquivo : DO bLOG jsf ACRESCENTADO NA POSTAGEM
---Enviada por
Silvio de Barros Pinheiro.
Santos.SP.