Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?

Como participar da campanha pela DEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIA?
LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA KIT COLETA Todo cidadão/cidadã pode buscar voluntariamente as assinaturas para o projeto. Disponibilizamos abaixo um kit com o material necessário para o diálogo nas ruas.

Seguidores

#naovaitergolpe

#naovaitergolpe
Acesse Frente Brasil Popular

domingo, 16 de julho de 2017

MOÇÃO DE APOIO À LUTA PELA REFORMA AGRÁRIA - MST/ES

MOÇÃO DE APOIO À LUTA PELA REFORMA AGRÁRIA -  MST/ES
MOÇÃO DE APOIO À LUTA PELA REFORMA AGRÁRIA - MST/ES
A tropa avança sobre o acampamento Fidel Castro, deixa rastros de destruição e acampados recolhem pedaços de esperança.
Após 9 meses de ocupação da terra na fazenda Itaúnas, às margens da BR 101, próximo ao distrito de Braço do Rio, município de Conceição da Barra ES, mais de 200 famílias do acampamento Fidel Castro transformaram um canavial abandonado em mais de 50 hectares cultivado de plantas alimentícias, medicinais e ornamentais. Tudo foi destruído juntamente com os barracos de lona no dia 11 de julho de 2017 pela truculência da tropa de choque com o uso de cavalaria e helicóptero reprimindo e dispersando as famílias. A coragem e a valentia de valiosos companheiros/as, enfrentando a repressão, reconduziram as famílias para uma escola no assentamento Jundiá, onde permanecem reorganizando o acampamento.
Apesar da tamanha violência policial, nesse contexto de golpe e crise, a indignação e rebeldia mostrou-se maior que o medo. Por isso as famílias e os aliados não dispersaram. Enquanto estão sendo espalhada a violência e destruição, estamos juntando e acolhendo solidariedade, apoio e contribuições como têm ocorrido nesses 32 anos de MST.
Concentração da terra e da renda – a causa da pobreza e da violência.
No município de Conceição da Barra, a concentração da terra e o modelo do agronegócio são tão violentos quanto o aparato do Estado utilizado para expulsar as famílias acampadas na área da falida Destilaria Itaúnas S/A (DISA) e da Agropecuária Aliança S/A (APAL).
O problema se aprofunda quando se constata que a maioria das grandes áreas agricultáveis estão ocupadas com eucalipto, cana de açúcar e pastagem; atividades agropecuárias que não geram postos de trabalho no campo, utiliza altos índices de agrotóxico e não movimenta a economia local e ainda gera o aumento da violência e pobreza.
Bloqueio à reforma agrária
O bloqueia a reforma agrária através da aprovação da Medida Provisória 759 que trata da privatização das terras brasileira, está sendo realizada na esfera política, jurídica, financeira, policial e midiática, em favorecimento ao avanço do agronegócio. Outras medidas complementam esse cenário: estrangeirização das terras, mudanças na legislação do uso de agrotóxico, transgênico, mudança no código florestal e a criminalização dos movimentos sociais no campo.
Apesar da repressão e violência do Estado, o MST recolhe apoio e solidariedade.
A onda de violência nas reintegrações de posse já tem data marcada para acontecer, desta vez serão os acampamentos Antônio Conselheiro (50 famílias) e Ondina Dias (300 famílias) ambos em Nova Venécia previsto para o dia 18/07/17. A luta por REFORMA AGRÁRIA se faz urgente e necessária para garantir dignidade para a classe trabalhadora do campo e da cidade.
As famílias acampadas nas áreas mencionadas estão precisando da nossa SOLIDARIEDADE e ajuda, principalmente doando alimentos e lonas para montagem dos barracos, além da assessoria jurídica. Todas as contribuições são bem-vinda.
LUTAR: construir reforma agrária popular! Mande sua mensagem para adelso.lima70@gmail.com 

#NoMasBloqueo

Acordo de aproximação entre Cuba e UE é aprovado pelo Parlamento Europeu

Medida incentivará novos acordos entre a ilha e o bloco, e vai na contramão da política de Trump de endurecer o embargo

Depois de 20 anos de distanciamento, Cuba e União Europeia retomarão as relações
 econômicas e diplomáticas. Com 567 votos a favor, 61 contra e 31 abstenções, o
 Parlamento Europeu aprovou nesta quarta-feira (5/7) a implementação do acordo
 que prevê a aproximação entre a ilha e o bloco, encerrando a Posição Comum.
A Posição Comum foi uma política criada unilateralmente pela União Europeia, em
 1996, por pressão dos Estados Unidos, durante o Período Especial. O objetivo era
isolar Cuba.
Também é de 1996 a Lei Helms-Burton, que arrochou o bloqueio do governo
norte-americano contra os cubanos porque punia quem fizesse negociações com
empresas da ilha. A França não poderia, por exemplo, exportar geleia ao mercado
dos EUA, se usasse como matéria-prima açúcar cubano.
O fim da Posição Comum foi firmado em dezembro de 2016, mas ainda precisava
ser aprovado pelo Parlamento Europeu. As discussões começaram em 2014 e
tiveram sete sessões de diálogo.

O chanceler Bruno Rodríguez e Federica Mogherini, Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança (Foto: CubaDebate)












“Os vínculos econômicos com a Europa continuarão sendo para Cuba uma prioridade
na construção de uma economia socialista, eficiente e sustentável”, declarou o ministro
 de Relações Exteriores cubano, Bruno Rodríguez.
Em discurso, Rodríguez afirmou que o acordo permitirá estabelecer vínculos políticos,
culturais, comerciais, financeiros, científicos, acadêmicos, esportivos e de cooperação.
Embora ainda fosse necessário derrubar oficialmente a Posição Comum, a União Europeia
 já havia flexibilizado o isolamento contra Cuba. Segundo CubaDebate, atualmente,
o bloco tem acordos de colaboração com a ilha que movimentam 50 milhões de euros
por ano.
Na prática, o acordo pode incentivar novos acordos entre Cuba e União Europeia,
mas também tem um valor simbólico relevante por sinalizar uma política oposta a do
presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de retroceder na flexibilização do bloqueio.

Vigente desde 1960, o bloqueio foi reforçado com as leis Torricelli (1992) e a Helms-Burton,
 que só pode ser revogada pelo Congresso norte-americano, e não pelo presidente.
De acordo com essa legislação, ao fazer qualquer negociação com os cubanos, as
companhias europeias podem ser prejudicadas pelo embargo.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Marcelo Odebrecht: a corrupção em Cuba beira zero

Foto I: Dilma e Raúl Castro na inauguração do Porto de Mariel em Cuba -
 Roberto Stuckert Filho/PR
Foto II: Outdoor em Mariel: "Até a vitória sempre" -
Derek R. Kolb 
Foto III: Odebrecht - Cicero Rodrigues/World Economic Forum
Do Solidários

Marcelo Odebrecht afirmou em sua delação que não houve nenhum pedido de vantagem por parte de autoridades cubanas na construção do Porto de Mariel. No depoimento, Marcelo chega a dizer que a corrupção em Cuba "beira zero", o que seria comprovado por ministros terem carros simples e morarem na mesma casa.

As informações são do colunista Lauro Jardim do jornal "O Globo".

1° Conferência Livre: Saúde da Mulher Estapa Espírito Santo

Sábado dia 08 de julho :

A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas sorrindo, texto

Att Mulheres CIS, Mulheres Trans e Travesti: Participar é um meio de lutar para mudar. 
Participe
1° Conferência Livre: Saúde da Mulherwww.facebook.com
Vivo: https://www.facebook.com/events/838401696335381/?ti=cl
INSCRIÇÔES: https://docs.google.com/…/1FAIpQLSdspEljKXg8L9skkq…/viewform

GEDDEL PRESO: quanto tempo vai durar esta prisão?

Preso, Geddel chegou a Brasília de madrugada via

segunda-feira, 3 de julho de 2017

LANÇAMENTO DA CAMPANHA INTERNACIONAL PELA LIBERDADE DE MILAGRO SALA




Esta segunda- feira estamos lançando uma campanha internacional pela liberdade de Milagro Sala. Vamos estrear uma nova página que será ativada segunda-feira às 11 da manhã  - hora da Argentina (e de Brasília) e que entre seus eixos centrais tem uma petição ao presidente Mauricio Macri para que cumpra a Resolução das Nações Unidas que ordena ao estado argentino que a liberte imediatamente.

Já assinaram a petição : Dilma Rousseff (ex Presidenta de Brasil); Baltasar Garzon (juiz español); Julian Assange (fundador de WikiLeaks); Estela Carlotto (Avós de Praça de Maio), Taty Almeida (Mães da Praça de Maio Linea Fundadora), Lita Boitano (Familiares de Presos e desaparecidos por Razões Políticas); Hugo Yasky (secretario geral da CTA), Parlamentares Europeus, do Parlasur e centenas de jornalistas, atores, acadêmicos, dirigentes políyicos, movimentos sociais .
Neste passo, na segunda-feira 3/7 a partir das 11 horas,dia em que também se inicia seu Período de Sessões Extraordinárias a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que deve decidir sobre uma medida cautelar pela detenção arbitrária da dirigente social, faremos uma campanha internacional nas redes sociais. 
Lhes pedimos que juntem-se a nós nesta segunda-feira 3/7 a partir das 11 horas com o hashtag: #LiberenAMilagro e #FreeMilagroNow e divulguem a página da campanha liberenamilagro.org (será ativada segunda às 11h) 
Passamos alguns modelos de tuiter e posts de facebook:

Twitter: 

Basta de presos políticos na Argentina. Assine a petição  para pedir que #LiberenAMilagro 


http://www.liberenamilagro.org / Fim da violação de direitos humanos na Argentina.


Basta de presos  políticos #LiberenAMilagro http://www.liberenamilagro.org 

 Presidente @MauricioMacri, basta de presos políticos na Argentina 

#LiberenAMilagro http://www.liberenamilagro.org 

 Hoje é Milagro. Amanhã pode ser você.  

Com presos políticos não há  democracia. Assine a petição para que #LiberenAMilagro 

Assine para exigir que #LiberenAMilagro e a todos os presos políticos na Argentina: 
 Milagro Sala, mulher, negra, indígena. Presa por lutar
 #LiberenAMilagro http://www.liberenamilagro.org 

Exigimos da @CorteSupremaAR o fim da violação de DDHH na Argentina #LiberenAMilagro


Milagro Sala está presa  ilegalmente há  mais de 500 dias.

Facebook: 

A dirigente social e deputada do Parlasur Milagro Sala é um dos 12 presos políticos da organização Tupac Amaro na Argentina. Está encarcerada arbitrariamente desde 16 de janeiro de 2016 por causa de seu compromisso social e politico. O governo do presidente Mauricio Macri descumpre as determinações internacionais e se nega a acatar a resolução da ONU que exige sua "imediata libertação". Hoje é ela. Amanhã pode ser você. Assine a petição para exigir a liberdade de Milagro Sala e dos demais presos políticos da Argentina. Milagro Sala é mulher, negra e indígena.. Está presa por lutar e por empoderar sua comunidade. Em Tupac Amaru, mais de 70% dos dirigentes são mulheres, trabalham junto com seus companheiros e lutam para pôr fim à violência de gênero e  à desigualdade estrutural da sociedade de Jujuy.
Por Carmen Diniz - Comitê Carioca de Solidariedade a Cuba
Secretaria Internacional de Assuntos Ligados a Cuba MST

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Deu no Pravda: Cuidado, Putin, a CIA está de olho na foto!

.


Em meio às crises política, econômica e moral que assolam o Brasil, o presidente Temer, o usurpador, viaja à Rússia.

Alertado por nós, o presidente russo, Vladimir Putin, evitou contato muito aconchegante com Temer, a fim de não ser acusado de participar de esquemas de corrupção.

O encontro Temer-Putin. Observem a distância entre os dois: 

http://g1.globo.com/politica/noticia/temer-se-encontra-com-putin-em-reuniao-no-kremlin.ghtml

Compare com os encontros Dilma-Putin: 
https://www.google.com.br/search?q=dilma+se+encontra+com+putin&client=gmail&rls=aso&authuser=0&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjt_fm_iM_UAhUD5SYKHY7xBR8Q_AUIBigB&biw=960&bih=495#imgrc=6Yf84DcQq2KIFM:

***

Portal do jornal russo Pravda, edição em português - 21.06.2017


Foto Íntima

por Fernando Soares Campos 

Recentemente, o Papa Francisco cancelou a viagem que faria ao Brasil este ano, quando participaria das festividades que comemoram os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, fato considerado milagroso. Ficou claro que o Papa quer apenas evitar a exploração política de sua presença em solo brasileiro, por parte do governo Temer.

Governantes europeus, como François Hollande e Angela Merkel vieram à América do Sul mas evitaram vir ao Brasil, provavelmente para manter distância de Michel Temer. 

O isolamento de Temer é tão cruel que, mesmo visitando o nosso país, o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro português, Antonio Costa, estiveram entre o Rio de Janeiro e São Paulo, para celebrar o "Dia de Portugal", mas não agendaram encontro com Temer.

LEIA MAIS: http://port.pravda.ru/sociedade/cultura/21-06-2017/43482-foto_intima-0/#sthash.AxQuweee.dpuf 

*** 

Temer chega na Rússia e é recebido por sub do sub

Brasil 247 - 20 DE JUNHO DE 2017 - Vídeo mostra que Michel Temer desembarcou em Moscou, onde foi recebido com uma cerimônia oficial, mas sem a presença do presidente russo, Vladimir Putin; em sua viagem de dois dias ao país, Temer será ignorado por autoridades e empresários; dos 180 participantes do fórum empresarial no qual o peemedebista será o protagonista, há apenas um CEO e, ainda assim, o executivo é da filial russa de uma empresa brasileira; no campo diplomático, também não há nenhum acordo relevante previsto... 
LEIA MAIS: https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/302108/Temer-chega-na-Rússia-e-é-recebido-por-sub-do-sub.htm 


________________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious Intenational Piracy of Cartoons

PressAA













MOÇÃO DE REPÚDIO ÀS MEDIDAS DE TRUMP CONTRA CUBA

#NiUnPasoAtras      #NoMasBloqueo

Enviado Por Carmen Diniz

Neste dia 17 de junho de 2017 se encerrou a XXIII Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba em Belo Horizonte - MG.
Durante três dias foram debatidos temas importantes da atualidade cubana e mais uma vez a reafirmação do apoio do Movimento de Solidariedade por parte de diferentes entidades.
Durante a Convenção, no dia 16, os participantes tomaram ciência que  o atual inquilino da Casa Branca, Donald Trump teria feito um pronunciamento a respeito das relações entre Cuba e EUA. Não se esperava outra coisa, o local (Little Havana) onde ocorreu  demonstrava o grau de hostilidade e insensatez que enfim se realizou. Nenhuma novidade, portanto. É o 12o ocupante da Casa Branca e ainda não aprenderam que a Revolução Cubana é muito mais forte que as medidas que adotam há mais de 50 anos.....
Assim sendo, os participantes da Convenção decidiram escrever um documento rechaçando as medidas adotadas pelo atual presidente do império mais poderoso que já existiu na história da humanidade.
Seguimos !!!! Abaixo, a carta- documento do encontro:

MOÇÃO DE REPÚDIO ÀS MEDIDAS DE TRUMP CONTRA CUBA

Senhor Presidente Donald Trump,
Os delegados da 23ª Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba, reunidos na cidade de Belo Horizonte, estado de Minas Gerais/Brasil, formada por centenas de militantes da Solidariedade, de 17 Estados mais o Distrito Federal , vêm repudiar a explícita hipocrisia da decisão unilateral de vossa excelência,em romper o acordo histórico de aproximação entre Cuba e os Estados Unidos, firmado na administração do ex-presidente Barack Obama, que desconsidera ainda, a decisão soberana de 82% dos cidadãos estadunidenses favoráveis ao fim do criminoso bloqueio econômico, financeiro e comercial que traz perdas irreparáveis ao governo e ao povo cubano, que ao longo deste 55 anos já causou perdas de mais de 125mil 873milhões de dólares a Ilha, que obrigatoriamente deverão ser ressarcidas.
Para nós, estas medidas tentam retirar de Cuba seu exemplo de resistência e luta para avançar nas conquistas de uma política de bem estar social e de solidariedade com o mundo, intervindo ainda no direito soberano de outros países em fortalecer sua integração política, econômica e social com Cuba.

Presidente Trump, a proposta de um novo acordo unilateral sem considerar a vontade soberana do povo cubano, um povo livre e altivo, que lutou bravamente para ser dono do seu destino, demonstra que o seu governo veio com a intenção de destruir o esforço mútuo entre duas nações em estabelecer uma relação de paz. Ainda, o senhor ignora a última votação histórica na 71ª Assembleia Geral da ONU em 2016, onde 191 países, dos 193 membros da ONU, se posicionaram contra o bloqueio a Cuba, com a abstenção de seu pais e de Israel.

Outro aspecto desta pretenciosa e agressiva medida de intervir na decisão soberana dos povos e de Cuba, e dos países da nossa América, foi em anunciar tal medida em um estado reconhecidamente como covil de financiamento, planejamento ofensivo e de abrigoà terroristas contra Cuba e outras nações, como a nossa querida irmão Venezuela. Ainda, ignorando a base naval e centro de tortura de Guantánamo, ferindo os direitos humanos e desrespeitando o direito internacional.

Por fim, reiteramos nosso incondicional apoio a Cuba e valoroso, corajoso e destemido povo cubano, e estamos dispostos a intensificar a nossa solidariedade e fortalecer a nossa luta, mais irmanada aos amigos incondicionais da luta cubana, a denunciar ao mundo e empreender esforços para o enfrentamento desta política imperialista, inimiga da humanidade, que descaracteriza a democracia, desrespeita o direito internacional, para invadir países, provocar guerras, assassinar inocentes, para usurpar da riqueza dos povos.

Belo Horizonte, 17 de junho de 2017

terça-feira, 13 de junho de 2017

RODRIGO JANOT QUER PORQUE QUER ESCANCARAR AS PORTAS DO INFERNO!

Há muita torcida nas redes sociais pela queda de Temer. E há um empenho desmedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disposto a fazer de tudo para satisfazer a galera. A insensatez e as vaidades desmedidas reinam.

Janot já pisou feio na bola ao armar uma arapuca óbvia para o presidente, cheia de ilegalidades que o ministro Edson Fachin abençoou (mesmo não tendo o direito de fazê-lo, pois estava obrigado a declarar-se impedido de intervir na delação premiada do grupo J&F, em função de haver mantido com o dito cujo notórias ligações perigosas).

A ação concertada com as Organizações Globo teria resultado caso Temer renunciasse ou se a Justiça Eleitoral cassasse o seu mandato. E o que teria então acontecido?

Eis o quadro bem realista que o veterano jornalista Clóvis Rossi nos expõe:
"Se Temer tivesse seu mandato cassado pelo TSE, a crise política estaria encerrada? Óbvio que não. 
Primeiro porque caberia recurso e sabe-se lá por quanto tempo se arrastaria o processo, mantendo-se na Presidência um cidadão notoriamente inadequado para o cargo. 
...[mas] digamos que a tal vox populi fosse ouvida pelo TSE e Temer caísse. Fim da crise? Não. 
Haveria, de um lado, o desejo da maioria dos congressistas de manter o privilégio de escolherem eles, e não o eleitorado, o novo presidente. Do outro lado, a pressão de grande parte do público por eleição direta, o que demandaria uma emenda constitucional de tramitação demorada, em meio a uma situação econômico-social desastrosa. 
Considerados o poder da rua e o poder dos grandes interesses envolvidos, a lógica elementar diria que a eleição seria mesmo indireta. 
Aí, o risco seria (...) a eleição de Rodrigo Maia, apontado como favorito de seus pares. 
É outra mediocridade como Temer, mas com menos experiência.
Temer com seu substituto legal, Rodrigo Maia: e se a montanha parir um rato?
Será que o Brasil aguentaria três governantes medíocres em sequência? Não dá para esquecer que Dilma Rousseff conduziu o país à mais profunda e prolongada recessão de sua história – prova factual de seu despreparo para o cargo".
PRESTES A DEIXAR O CARGO, JANOT NADA
 TEM A PERDER: "DEPOIS DE MIM, O DILÚVIO!"
.
O pior é que Janot, o grande responsável pelo prolongamento inútil de uma recessão que começava a perder força, quer infernizar de vez a vida dos brasileiros, apresentando uma denúncia de corrupção contra Temer. Não leva em conta que, via TSE, a substituição de Temer poderia ser razoavelmente rápida, ao passo que, com um impeachment, o desenlace ficaria para bem depois, só no ano que vem. 

Como a abertura do processo exige a aprovação da Câmara Federal e do plenário do Supremo Tribunal Federal, bota uns dois meses nisso (no mínimo!). 

Vamos supor que, vencidas estas duas barreiras, Temer seja afastado provisoriamente em agosto, com Rodrigo Maia herdando a cadeira e a caneta presidencial (Deus nos acuda!). Aí, mesmo que o processo não consuma os 180 dias de prazo-limite, só estaria concluído lá pelo final do ano. 

Marcada uma eleição indireta para 30 dias depois (com o adiamento do recesso dos parlamentares), poderíamos ter um novo presidente em fevereiro, para governar no máximo 11 meses. Mas, governo efetivo mesmo, só até agosto, quando a campanha presidencial ferve e passa a ser a prioridade nº 1 dos políticos profissionais. 
Tudo considerado, a tendência seria de que as incertezas se prolongassem, afugentando investimentos, até a posse do novo presidente, no dia 1º de janeiro de 2019. Ou seja, o que Janot quer é que tenhamos pela frente mais um ano e meio com a situação econômica tão ruim como está agora, ou pior ainda.

É inacreditável que uma autoridade supostamente responsável tudo faça para nos impor tal pesadelo! Não terá consideração nenhuma pelo povo sofrido, indefeso, massacrado, que anda matando cachorro a grito desde 2015?! 

E, quanto aos que se dizem esquerdistas mas se mostram fanaticamente empenhados em propiciar o caos, só me resta lembrar-lhes que quem pretende servir à causa do povo não pode fazer política movido pela bílis. Precisa ter idealismo, clareza de raciocínio e. mais do que tudo, identificação com os humildes e disposição solidária para atenuar suas desditas..

Três características extremamente escassas hoje em dia.
.
A CRISE É DE TODO O SISTEMA. AGONIZAM O CAPITAL, O ESTADO E SEUS REPRESENTANTES POLÍTICOS DA DIREITA E DA ESQUERDA.

sábado, 10 de junho de 2017

A BLITZKRIEG DO JANOT ATOLOU NO PÂNTANO DE BRASÍLIA

Se a toga fosse maior, daria para esconder também a cara...
Deu a lógica: Michel Temer continua como presidente, tendo sobrevivido a uma das mais estapafúrdias e destrambelhadas tramoias da política brasileira em todos os tempos. 

Espera-se que, agora, a sociedade apresente a conta aos conspiradores trapalhões, por terem virado o País de pernas pro ar a troco de nada, prolongando por mais alguns meses a agonia em que se debatem os brasileiros desde 2015, quando se iniciou a fase mais aguda da recessão atual.

O processo na Justiça Eleitoral não passava de um Plano B, uma garantia adicional de que Dilma Rousseff seria privada do seu mandato presidencial, mesmo que ocorresse algum acidente de percurso com o impeachment. 

Como o Plano A resolveu a questão, o B perdeu sua razão de ser, reduzido a um estorvo; mas, noblesse oblige,  era necessário manter em pé as ilusões jurídicas da democracia burguesa. Assim, não havendo mais como evitar a realização do julgamento, ele deveria terminar com a absolvição da chapa Dilma-Temer.

Ao iniciar-se a terceira semana de maio, já se sabia até qual seria o placar da absolvição: 5x2. De repente, no dia 17, o jornal O Globo desencadeou uma verdadeira blitzkrieg contra Temer, publicando peças da delação premiada do Grupo J&F que deveriam estar sob sigilo de Justiça. 

E o relator dos processos ligados à Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, fez o inusitado: como parte do material havia supostamente vazado, resolveu levantar o sigilo do todo. Agiu como um general que, informado de que o inimigo matara 20 dos seus comandados e 80 estavam feridos, ordenasse: bom, então vamos matar logo os outros 80 também...
O vencedor: Gilmar Mendes. Com muita cotovelada, chute na virilha e dedo no olho...
O pandemônio se instalou no noticiário, nos mercados e nos partidos políticos, enquanto movimentos sociais ligados ao petismo providenciaram um badernaço em Brasília, culminando no incêndio de Ministérios. A impressão de caos e descontrole era fundamental para forçar Temer a uma renúncia imediata. Tal ocorrendo, a guerra relâmpago teria sido coroada de êxito.

Mas, Temer resistiu. O grande capital, para o qual o importante mesmo é a continuidade do programa de reformas neoliberais, começou a trabalhar em seu favor, por falta de opção melhor (nenhum dos cogitados substitutos de Temer se mostrava especialmente apto para o papel). 

Enquanto isto, jornalões concorrentes passaram a mostrar o outro lado do furo d'O Globo:
— o fato de que a gravação ilegal da conversa de Joesley Batista com Temer fora precedida de uma aula a espiões amadores, ministrada por pessoal da Lava-Jato, embora ainda não estivesse decidido se seria ou não aceita a delação premiada de tais criminosos (isto dependeria do resultado da gravação); 
— o caráter inconclusivo das intervenções de Temer no diálogo, ficando evidente para qualquer pessoa isenta que a interpretação dada pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot não era a única possível, mas sim a única que servia para incriminar o presidente; 
As regalias do Joesley colocaram em xeque as delações 
— as fortes suspeitas de que a gravação havia sido editada; 
— a sofreguidão de Janot, tão ansioso por tocar os procedimentos adiante que nem se preocupou em pedir aos peritos federais que verificassem se a gravação cumpria os requisitos legais para servir como prova; 
— a desatenção de Fachin, não só passando batido pelo fato de que a gravação deixara de ser periciada, como também por sua evidente ilegalidade (não houvera autorização judicial para que Joesley a fizesse) e pelos vários indícios de que Temer fora vítima de uma armadilha judicial; 
— as regalias e privilégios repulsivos que os irmãos bandidos obtiveram com a delação, os maiores até agora concedidos a qualquer réu da Lava-Jato.
.O RESCALDO DA TRAPALHADA
.
Os conspiradores não conseguiram tanger Temer à renúncia, nem fazer com que perdesse o mandato no julgamento do TSE. Ou seja, não conseguiram nada. Entraram como leões, saíram como cães.

O desvio de finalidade cometido por autoridades ligadas à Lava-Jato, ao direcionarem sua atuação para um objetivo flagrantemente político (a derrubada de um presidente) ao invés de se manterem no terreno do combate à corrupção, servirá, em muito, como munição para os políticos encalacrados unidos desfecharem um contra-ataque, movidos pelo instinto de sobrevivência. Tiro no pé.

Também começam a avolumar-se os questionamentos de arbitrariedades e excessos cometidos ou autorizados por policiais, promotores e procuradores. Reforça-se a suspeita de que se trata de uma devastadora cruzada moralista para destruir o status quo ante, sem clareza quanto ao que deva substituí-lo, assim como era carente de um objetivo maior o tenentismo de outrora (daí já estarem sendo chamados de tenentes togados). 
Nem os Irmãos Marx dariam um golpe tão bagunçado

E seus abusos, característicos de estados policiais, inspiram comparações com  os jacobinos da Grande Revolução Francesa. É bem capaz de a História repetir-se, com o pântano finalmente criando coragem para reagir contra o terror que Curitiba lhe inspira.

As Organizações Globo conseguiram reeditar um dos seus piores momentos, o escândalo Proconsult, tanto em termos de armação canhestra, quanto de resultados desastrosos. A demonstração de fraqueza que deu deverá custar-lhe caro, em termos de saúde financeira e de influência. 

Janot ficou com a credibilidade em frangalhos. Se antes sonhava com voos mais altos, agora terá de dar-se por feliz se conseguir permanecer no cargo atual até setembro, conforme estipulado. Terá ele sensibilidade suficiente para perceber quão exausta a sociedade brasileira está depois de tantos sobressaltos e de período tão longo de rigores, querendo acima de tudo sair do sufoco, sem mais paciência com relação a quem faz tempestades em copo d'água?  

Fachin até agora não desmentiu que Joesley Batista tenha colocado sua influência e poderio econômico a serviço da campanha dele, Fachin, para tornar-se ministro do Supremo. Se aceitou tomar decisões sobre a delação super-premiada de Joesley, não se declarando impossibilitado de atuar neste caso por dever um enorme favor a uma parte, pode perder não só a relatoria, como a própria condição de ministro. Tem de torcer muito para que Charles De Gaulle estivesse certo ao dizer que o Brasil não era um país sério.

Finalmente, parte da esquerda, ainda presa à narrativa do golpe, embarcou ingenuamente no derruba Temer!, sem sequer perguntar-se o que estava fazendo quando atendeu ao chamado da Globo. Respondo eu: colocando azeitona na empada alheia, ao aceitar servir como força auxiliar numa disputa de poder entre facções burguesas.
A esquerda precisa desistir das mordomias palacianas e reencontrar o caminho das ruas
A lição de casa continua por fazer: 
— uma profunda autocrítica do papel que tem desempenhado nos últimos anos, culminando na derrota acachapante em que se constituiu o impedimento da Dilma; e 
— a retomada da tarefa primordial de organizar o povo para o combate cotidiano ao capitalismo, como etapa necessária no sentido de acumular força para voos maiores.
Para recuperar o protagonismo, precisa ampliar e enrijecer suas fileiras – e muito! A participação destacada nas lutas sociais é bem mais importante para a esquerda neste momento do que vencer quaisquer eleições, inclusive a de presidente da República.

Quanto à derrubada de presidentes, só faz sentido quando se tem um programa alternativo verdadeiramente de esquerda para colocar em prática e as massas organizadas para darem sustentação ao governo popular. 

Como os dois requisitos inexistem neste instante, do ponto de vista de uma esquerda consequente, tentar fazê-lo mesmo assim seria, no mínimo, uma leviandade; afora o risco de fortalecer o inimigo, dando-lhe ensejo para trocar um presidente fraco por um bem mais competente, como decerto seria, p. ex., o FHC.